“O Primeiro Ano sem Altamiro Carrilho” por Alex Mendes

qua, ago 14, 2013

Artistas, Vivendo o Choro

“O Primeiro Ano sem Altamiro Carrilho” por Alex Mendes

Altamiro Aquino Carrilho nasceu em 21 de Dezembro de 1924 na cidade de Santo Antônio de Pádua, um município localizado no Estado do Rio de Janeiro. Nascido em uma família de músicos do lado materno, o jovem Altamiro iniciou seus estudos tocando tarol na banda do avô e em seguida começou a tocar flauta de maneira autodidata, inspirado nas gravações mecânicas de Patápio Silva, em especial a valsa Margarida…

Ainda jovem participou de um programa musical temido pelos músicos devido o nível de exigência do mineiro Ary Barroso, um dos produtores do programa. Altamiro tocou o choro Harmonia Selvagem de Dante Santoro, e afirmou ter sido o programa que o projetou no cenário musical, e não parou mais, foram mais de 200 composições e mais de 100 discos gravados além de inúmeras apresentações no Brasil e no mundo, sendo aplaudido certa vez na Rússia por uma platéia de pé por mais de 10 minutos. Tocou até com Roberto Carlos, há um vídeo que circula com freqüência nas plataformas digitais de uma apresentação de Altamiro Carrilho ao lado de Roberto Carlos onde Altamiro faz uma série de improvisos com o flautim na música Calhambeque.

O grande violonista Raphael Rabello disse que esteve com Jean-Pierre Rampal, que desde os anos 70 foi considerado quase unanimemente o mais técnico flautista do mundo, quando ele soube que era Raphael era brasileiro, lhe perguntou sobre o Altamiro Carrilho e prosseguiu… – É o maior sopro entre todos os flautistas que conheci.

Altamiro era apaixonado por São Paulo…
– Eu não nasci aí (São Paulo), mas tudo que recebi de bom, de prestígio, homenagem, vendagem de disco, tudo isso foi em São Paulo, que me prestigiou desde o meu primeiro disco… afirmou em uma entrevista a um grande jornal em São Paulo.

O bandolinista paulista Izaias Bueno de Almeida complementa… “dono de um estilo inconfundível, é responsável por uma enorme trilha de flautistas mais jovens, e é sem dúvida o marco inicial de uma “escola da flauta brasileira” e o maestro Júlio Medaglia destaca: “Altamiro é o maior do mundo”

No ano de 2009 foi lançado um trabalho de reconhecimento da carreira do mestre da flauta, um box contendo 4 DVD´s intitulado A FALA DA FLAUTA, trabalho que foi lançado em várias cidades brasileiras,

O ano de 2012 surpreendeu a todos com o desaparecimento de Altamiro Carrilho, no dia 15 de Agosto os principais jornais do país noticiavam a morte de um dos maiores nomes da música brasileira, a notícia ganhou destaque até nas grandes mídias.

Neste primeiro ano sem Altamiro Carrilho, conseguimos perceber o quanto ele foi importante, e apesar de ter partido, deixou um grande legado… e quando ouvir uma flauta sendo tocada, tenha certeza de que, no coração daquele flautista há um pouco de Altamiro Carrilho.

Alex Mendes
(11) 9.8653-9603
Bandolinista do Conjunto Retratos
www.conjuntoretratos.com.br



,

60 Comentários para ““O Primeiro Ano sem Altamiro Carrilho” por Alex Mendes”

  1. Alexander Says:

    Alex, o Altamiro foi um instrumentista com a mesma envergadura do Pixinguinha, um gênio da flauta.
    E ele também defendia com unhas e dentes a cultura do choro, e fez disso o seu ideal de vida.
    Valeww
    Alexander

  2. PAULO REIS Says:

    Chorinho Brasil!

    Lindo texto… disse no ano passado a meu neto que o Brasil teve grandes flautistas, mas pouquissimos excelentes como Altamiro Carrilho. Ele reuniu as qualidades de Patápio Silva, Pixinguinha e Benedito Lacerda… tudo isso ao seu jeito e com seu bom humor inigualável… o verdadeiro artista.

    Hoje, quando ligamos o radio ou a TV, só ouvimos esta escória, estes “Didiays”, Belo, Michel Teló, Luan Santana, funks do mais baixo nível, “sertanôjos” e outras medíocridades, fico preocupado:
    - O que está sendo apresentado para o jovem em termos culturais?

    Fica no ar a resposta!

    Grato.

    Paulo Reis

  3. Marcelo Meira Leite Says:

    Oi Alex, parabéns pela homenagem ao grande Altamiro Carrilho e pelo ótimo texto. Acho que dificilmente teremos uma flauta com um som tão lindo quanto o de Altamiro.

    Abs.
    Marcelo

  4. C.A.da Silva Says:

    Parabéns Alex,você nos têm dado(brasileiros)um grande serviço…para a nossa falha memória e nosso complexo de não ver os nossos mais autênticos valores!

  5. Sebastiao Nunes Says:

    Parabéns pelo texto amigos do chorinho brasil
    Altamiro Carrilho deixou sua marca como instrumentista e compositor e foi um ser extremamente plural, sintetizando vários estilos e escolas, além de criar suas próprias linguagem e identidade.

    Sebastiao Nunes

  6. Roberto Cavalcanti Says:

    Alex, parabéns por sua iniciativa de preservar nossa tão rica e pouco valorizado cultura popular brasileira, e também pelo seu belo texto, Altamiro merece todos os louros, infelizmente nosso país foi e é assolado por um processo político histórico e maldoso de “emburrecimento e desmemorização coletiva”, em geral, as pessoas nem conhecem ou não sabem valorizar e apreciar tamanho gênio, por isso, seu trabalho é tão importante, não desistam, sei como é, estou na mesma militância, devemos unir forças e remar contra essa maré… Mais uma vez, Parabéns Alex Mendes e Conjunto Retratos!

    Grande Abraço!

    Roberto Cavalcanti
    Músico e Jornalista
    (Cavaquinhista do Conjunto Garoando)

  7. Sérgio Morais Says:

    Beli texto Alex. Só para esclarecer, no vídeo com RC, Altamiro toca numa flauta soprano em mi bemol, pouco mais aguda que a flauta de concerto (em dó), mas não chega a ser um flautim (esse em dó, uma oitava acima da flauta de concerto).
    Abraço.

  8. Aldo Moraes Says:

    Parabéns, Alex.

    Vou também divulgar este site em meu blog cultural.

    O choro é nossa música maior e motivo de orgulho e inspiração.

    Quem quiser conhecer minhas peças de choro, basta escrever para meu email: composermoraes@hotmail.com

    Abraço a todos


Escreva um comentário