“Liderança Musical de Pixinguinha” por Alex Mendes

qua, abr 23, 2014

Vivendo o Choro

“Liderança Musical de Pixinguinha” por Alex Mendes

Homem humilde e de gestos simples, considerado um dos maiores gênios da Música Brasileira, Pixinguinha jamais poderia imaginar que seria criado em sua homenagem o Dia Nacional do Choro, comemorado todo dia 23 de Abril, no dia de seu nascimento.

Quando tinha apenas 11 anos já tocava cavaquinho, pois os irmãos Léo e Henrique ensinaram algumas notas… Dó Maior, Sol Maior… era o final da primeira década de 1900. O pai de Pixinguinha, que tocava flauta e era apaixonado pelo choro, promovia em sua residência encontros musicais, rodas de choros que eram frequentadas por grandes músicos e que faziam parte de seu círculo de amizade, nomes como Irineu de Almeida, Candinho do Trombone, Viriato Figueira, Quincas Laranjeira João Pernambuco, Sátiro Bilhar e até Villa Lobos participavam dos encontros na casa dos Vianna.
Pixinguinha já tirava algumas músicas de ouvido, mas na roda de choro ficava mesmo apreciando atentamente as músicas que eram tocadas, porém, quando passava das oito horas, Alfredo da Rocha Vianna, o pai, dizia ao garoto “– Vai dormir menino que já é tarde…” e Pixinguinha tinha que se retirar e ir para seu quarto. Mas ele gostava tanto do choro que não se deitava, ficava atrás da porta ouvindo.

No dia seguinte, com sua flauta, reproduzia as melodias que lembrava, Irineu de Almeida que morava na casa dos Vianna disse certa vez ouvindo Pixinguinha tocar “–Esse menino promete!”.

E ele estava certo, logo o garoto foi convidado para substituir o excelente flautista Antonio Maria Passos, e não parou mais, participou de várias formações musicais atuando como solista um deles, o grupo Choro do Caxangá (1914) que tinha como violonista João Pernambuco. Em 1919 Pixinguinha é convidado para montar um grupo para tocar na sala de espera do Cinema Palais, ele convoca alguns músicos do Choro do Caxangá e cria o histórico Os Oito Batutas, o grupo se tornou um sucesso, muitas pessoas se deslocavam ao cinema apenas para ouvir o grupo liderado por Pixinguinha que ganhava fama e projeção. Em 29 de Janeiro de 1922 os Oito Batutas segue para Paris, retornam ao Brasil meses depois e partem novamente para outra viagem, desta vez para a Argentina. O grupo se desfez logo após o retorno desta segunda viagem internacional e Pixinguinha passa a trabalhar como solista, arranjador e orquestrador para revistas e gravadoras. Ele cria a Orquestra Diabos do Céu e o grupo da Velha Guarda e também à frente Orquestra Victor Brasileira, neste período Pixinguinha escreve, arregimenta músicos para gravações e faz regência. Historiadores apontam que Pixinguinha lança as bases para a orquestração da música brasileira, criando arranjos para grandes nomes da época como Mario Reis, Carmem Miranda, Francisco Alves, Ataulfo Alves entre outros.

Ao observarmos este rico período de criatividade musical nos primeiros 30 anos do século XX, percebemos que Pixinguinha além de exímio músico e arranjador também atuava como um verdadeiro líder. Realizou com a Orquestra Victor Brasileira, com o Grupo da Guarda Velha e com os Oito Batutas, dezenas de gravações, seguindo o estilo que aprendeu com os grandes mestres de banda como Anacleto de Medeiros e Irineu de Almeida que foi seu professor.

Que outro líder conseguiria coordenar por tanto tempo uma equipe numerosa de músicos como o da Orquestra Victor Brasileira entregando ao público o fantástico resultado que são as gravações que estão até hoje disponíveis?

Henrique Cazes aponta que “Pixinguinha até a morte não mudou sua maneira de orquestrar, dando a impressão de que no fundo de sua sincera modéstia sabia que escrevia para a eternidade”.

Pixinguinha conduzia os trabalhos musicais com bom gosto e competência, liderava como poucos, e uma das definições da palavra liderar é “inspirar, animar e motivar ideias, pessoas e projetos”, o líder, portanto, é aquele que inspira e dá vitalidade, deste ponto, encontramos em Pixinguinha o perfil do líder servidor. Sua postura e atitude contribuíram para que fosse admirado, e era uma admiração verdadeira, porque as pessoas que estavam ao seu lado acreditavam que ele estava sempre fazendo o melhor por saberem que era apaixonado pelo arte.

Pixinguinha sabia intimamente que, ser líder não é o mesmo que ser chefe. Chefe você obedece, líder você segue, o líder influencia as pessoas pela clareza de suas ideias e trato com as pessoas. O poder da liderança de Pixinguinha estava na simplicidade de conduzir seus projetos, na sua habilidade em lidar com os músicos, na sua capacidade criativa de inovar sem deturpar, enfim na possibilidade de ir além do óbvio. Jamais utilizou poder hierárquico de chefe de orquestra e líder de conjunto, por isso, 41 anos depois de seu desaparecimento, continuamos seguindo o mestre. Continuamos sendo influenciados…

Alex Mendes
Bandolinista do Conjunto Retratos
E-mail: conjuntoretratos@terra.com.br



, ,

35 Comentários para ““Liderança Musical de Pixinguinha” por Alex Mendes”

  1. Lino Rezende Says:

    Muito bom Alex,em poucas linhas vc retratou esse homem maravilhoso e o mais
    completo compositor de choro.PIXINGUINHA IMORTAL!!!

  2. Estação da Boa Música Says:

    Pixinguinha foi o maior propagador do nosso maravilhoso Choro , parabéns pelo belo texto meu amigo Alex Mendes !!!

  3. Carlos Budião Says:

    Alex ,Parabéns ! pelo texto .
    Pixinguinha como todos temos uma história própria e individual e poucas são as pessoas tem o algo a mais para servir de exemplo para um futuro ,Graças a Deus que existem exemplos que com seu trabalho possam inspirar as gerações futuras a dar sequência a essa maneira de trabalhar , que é o caso de Pixinguinha , e ele é um grande lider até hoje , como você disse no seu último paragrafo , “lider você segue porque ,o lider influencia ” e Pixinguinha é inspiração até hoje !
    parabéns a todos os chorões .

  4. Keli Aragão Says:

    Muito bem escrito caro amigo Alex Mendes Este gênio foi, acima de tudo, um pesquisador de música, sempre inovando e inserindo novos elementos na música brasileira. Na verdade, Mestre Pixinga, chamado assim por muitos, revolucionou a maneira de se fazer música no Brasil sob vários aspectos. Como compositor, arranjador e instrumentista, sua atuação foi decisiva nos rumos que a música brasileira tomou.

  5. Danilo L Guimarães Says:

    Alex Mendes, que texto incrível. Olha, tenho uns livros sobre Pixinguinha, um deles feito por Sebastião Braga, uma maravilha, q tem cifras das músicas, e toda uma história datada com parceiros como Benedito Lacerda entre outros. E agora vejo esse seu trabalho, fortalecendo ainda mais o nosso conhecimento sobre o Mestre Pixinga. Não sou músico, compositor ou cantor,mas admiro muito todos os seguimentos q Vc divulga e faz junto da música.PARABÉNS…

  6. Gustavo Simão Says:

    Bom dia !! Alex Mendes, parabéns por sua iniciativa de escrever sobre o nosso Mestre Maior do CHORO, o Grande Pixinguinha, e como escreveu !!
    Claro, preciso, objetivo, traduzindo o que foi o chamado por muitos O Santo, por outros Pixinga, abraço em 24/Abril/2014. Guta Do Pandeiro

  7. Ilda S Noronha Says:

    Alex Mendes , você descreve a vida de Pixinguinha um ser “iluminado ” que veio á terra pronto “espirito ” culto e seu nome e sua obra ficará por séculos e séculos Amém !!! Viva Pixinguinha orgulho do choro Brasileiro exemplo de que o que é bom fica p/ todo o sempre …. Pixinguinha !!!

  8. Paulo Borges Gil Santiago Says:

    Bom dia, Alex Mendes!
    Parabéns pela iniciativa ao escrever um texto claro, objetivo e com conteúdo que resume a história do Grande Mestre Pixinguinha. A música quando é boa vem pra ficar, prova disso são as excelentes e inspiradíssimas composições deste Músico dos Séculos. Viva o choro, salve a Música Popular Brasileira, viva Pixinguinha e viva a nova geração de “chorões” que têm o dom divino musical e a responsabilidade de passar às gerações futuras a imensa obra deixada por ele!!!

  9. ricarte almeida santos Says:

    belíssimo texto, meu caro Alex! Claro, com o desconto que o objeto do mesmo é pura inspiração e luz e, assim ilumina e inspira seus fãs e admiradores, fazendo-os escrever tão encantadas missivas! Parabéns! Como diria Araci de Almeida, “Pixinguinha é uma pessoa que não resta menor dúvida”! abração, amigo!

  10. Tarcísio Vilarinho Says:

    Parabéns pelo excelente texto, Alex. Revela exatamente tudo o que queremos saber sobre esse grande músico que foi o Pixinguinha. Um forte abraço e saudações musicais.

  11. Marcello Laranja Says:

    Meu caro Alex, como disse, não seria necessário ler seu artigo pois tinha certeza absoluta da qualidade do texto. Primoroso, meu caro! Peço vênia para destacar um trecho do parágrafo final: “Pixinguinha sabia intimamente que ser líder não é o mesmo que ser chefe. Chefe você obedece, líder você segue…”. Perfeito, isso define muito bem a grandiosidade do mestre Pixinga, o pioneiro, o maior, o inimitável.
    Abração forte.
    Marcello Laranja (Clube do Choro de Santos)

  12. Salloma Says:

    Alex Mendes. Além de músico exímio é pesquisador musical. Nesse texto recupera a imagem de homem negro que estabeleceu um padrão de excelência para cultura musical brasileira, Pixinguinha.
    Parabens.
    Abs
    Salloma

  13. Paulinho Martins Says:

    Alex

    Parabéns pelo texto, retrata bem o que foi a obra desse gênio e da influência que tem e que ainda terá na formação de músicos de todos os gêneros.
    Grande abraço

  14. marquinhos Says:

    Maravilhoso esse texto alex,Pixinguinha está feliz com tanta dedicação a sua vida…meus parabéns meu amigo espero ter a oportunidade de tocarmos juntos.um grande abraço.marquinhos (sjc)

  15. Darlan Ferreira Says:

    Mt bom Alex! PARABÉNS!!!
    O cara era realmente FANTÁSTICO!
    Digno de homenagens!
    Não só o artista, como tb o homem.
    Não é atoa que Vinícius de Morais
    costumava dizer que Pixinguinha era
    o melhor ser humano que conhecia.
    THAT’S THAT!!! Gde abraço.

  16. Marcos Canduta Says:

    Alex, muito bom! Objetivo, claro, na mosca.
    E salve São Pixinguinha!

  17. henrique vasconcelos Says:

    Sensacional texto Alex!! salve Pixinguinha um líder nato!!

  18. Derival Marciao Marciao Says:

    É isso aí amigo Alex Mendes. Devemos valorizar quem merece. Valeu pelo texto amigo, muito bom.

  19. Inaldo Moreira Says:

    Pixinguinha, além de tudo, foi o grande estruturador do choro brasileiro.

  20. Pedro Luiz Says:

    Parabéns pelo texto!!!
    Pixinguinha merece!!

  21. Maria Helena Says:

    Parabéns Alex , comentário maravilhoso . Amei , VIVA O CHORO ,VIVA O MESTRE PIXINGUINHA ! Um grande abraço !

  22. Luís Filipe de Lima Says:

    Parabéns pelo texto, Alex!

  23. IZAIAS BUENO DE ALMEIDA Says:

    Carissimo Alex,

    Ainda não foram feitas todas as homenagens que nosso mestre Pixinga merece.
    O movimento deste ano ainda achei muito fraco, os chorões (pelo menos em São Paulo sofreram um ócio total) porém fico muito feliz em ler um artigo escrito por um talentoso, entusiasta e admiravel jovem, que além de tudo é meu amigo. “Se todos fossem iguais a você”.
    Izaias

  24. Hélio Amaral Says:

    Alex, está ótimo! Até José Paulo de Andrade no programa de rádio AM “Bandeirantes Gente” que ouço diariamente fez um destaque especial que me surpreendeu, pois tocou a versão original de Carinhoso no programa, a orquestrada dos anos 20.
    Abraço e parabéns pelo texto,
    Hélio

  25. Marcelo Meira Leite Says:

    É isso mesmo. Parabéns Alex! Viva o Choro, viva a Música Popular Brasileira ( uma das maravilhas do mundo ).

  26. Ismael Aragão Says:

    Nobre Alex… sempre nos transportando para uma belíssima viagem de cultura e paz que só a musica transcende. Grande Pixinguinha… salve, salve!Grande abraço Alex!

  27. Ferretti Says:

    Parabéns Alex. Texto muito bem escrito. Bem estruturado e muito bem conduzido. Dentro daquilo que se propõe, ou seja, passar para futuras gerações a vida e a trajetória musical de um dos maiores músicos brasileiros: Pixinguinha.

  28. AUSIER VINICIUS Says:

    Parabéns,meu queridíssimo amigo…tá tudo aí…abração!!!!

  29. Giliane Says:

    Obrigada pelo texto Alex!

    Gostei muito! Perfeita definição do grande mestre Pixinguinha!

    Parabéns!

    Um Grande Abraço

    Giliane

  30. Antonio Soukef Junior Says:

    Belo texto Alex, parabéns.

    Antonio Soukef Junior

  31. FABRICIO SILVA Says:

    Que belíssima postagem caro amigo Alex Mendes,, boa iniciativa,, meus parabens,,

  32. Hiltom Caetano da Silva Says:

    Caro Alex
    É sempre bom e oportuno ler os textos publicados sobre o nosso Mestre Pixinguinha,que teve uma vida musical exemplar e genial. Fico imaginando como foi o seu dia a dia, com os colegas e amigos musicais, o com os familiares e com a sociedade de sua época…Que linda e não fácil vida ele levou e como um exemplo a seguir…Parabéns pelo texto e pela iniciativa em divulgar esta grande figura humana e musical Abraços Caetano

  33. Joatan Nascimento Says:

    Olá Alex,
    Resolvi deixar aqui também meu agradecimento pelo seu texto. Muito bom!
    Continue escrevendo, compartilhando seu saber, para que a informação circule e que assim o conhecimento acerca da nossa música areje a cabeça dos brasileiros.
    Quantos sabem que 23 de abril é o Dia do Choro? E quantos brasileiros sabem que nesta data também se comemora o nascimento daquele, tal qual Louis Armstrong nos EUA, redefiniram a música do seu país?
    Bravo!
    Joatan Nascimento

  34. Roberta Valente Says:

    Parabéns, Alex, muito legal. Beijo

  35. Carlinhos Patriolino Says:

    Alex, muito obrigado por este excelente texto! Sempre bom saber mais sobre o mestre Pixinguinha. No aguardo pelos próximos textos! Grande abraço.


Escreva um comentário